sábado, 10 de abril de 2010

Osteologia

Pessoal da Medicina Veterinária, vai ai um resumão de osteologia pra vocês!!!
A osteologia é a parte da anatomia que estuda os ossos.

Funções dos Ossos
  1. Sustentação do corpo;
  2. Atuam como alavancas;
  3. Dão proteção a órgãos;
  4. Servem de apoio p/ músculos e tendões;
  5. Reservas de minerais (especialmente o cálcio e fósforo);
  6. Função hematopoiética (medula óssea).

Obs: A função hematopoiética é a produção de células sanguíneas através da medula óssea vermelha.

Exoesqueleto – são formações duras, situadas externamente no corpo de alguns animais. Ex: casco de tartaruga e tatu.
Endoesqueleto – é o arcabouço interno, objeto de estudo da osteologia.

DIVISÕES DO ESQUELETO

O esqueleto é dividido em três grandes partes, que são:
Axial – é formado pelos ossos do crânio, colula vertebral, costela e esterno.
Apendicular – é representado pelos ossos dos membros torácicos e pélvicos.
Visceral – é constituído por alguns ossos situados em vísceras de algumas espécies, como o osso do pênis do cão e do gato e os ossos do coração do boi.

NÚMERO DE OSSOS NO ESQUELETO

A quantidade de ossos no corpo dos animais varia de espécie para espécie e também de acordo com a idade. O animal adulto apresenta um menor número de unidades ósseas, devido a fusão de alguns ossos ou partes, diferente dos jovens, que os possuem separados.

CLASSIFICAÇÃO DOS OSSOS

Ossos longos – são aqueles onde o comprimento predomina sobre as demais dimensões. Possuem duas epífises, uma diáfise e uma cavidade medular. Ex: fêmur, úmero, ulna.

Ossos curtos – são aqueles onde suas dimensões são equivalentes. Ex: ossos do carpo e tarso.

Ossos laminares – são aqueles em que a largura e o comprimento predominam sobre a sua espessura, tem forma de lâmina. Ex: escápula.

Ossos irregulares – são de formato completo, não se enquadram em nenhuma figura geométrica conhecida. Ex: as vértebras e os ossos da base do crânio.

Ossos pneumáticos – são os ossos que contem ar em seu interior. Ex: alguns ossos do crânio, como maxilar e frontal, além de alguns ossos longos das aves.
Ossos sesamóides – são também ossos curtos, que oferecem apoio para músculos e tendões.

Dipöe – ossos da abóbada craniana.

ARQUITETURA E ESTRUTURA ÓSSEA

O osso é capaz de crescer e, caso sofra alguma lesão (fratura), regenerar-se através da cicatrização. Quando aumenta as exigências mecânicas sobre o osso, ele é capaz de reforçar a sua estrutura; assim como quando as exigências diminuem, torna-se mais frágil na sua estrutura.

Obs: arquitetura – forma pronta, acabada
Estrutura – é a composição, a natureza de que é feita

O osso é adaptado para resistir as forças de tensão e de pressão e pode suportar cargas estáticas e dinâmicas várias vezes maiores que o peso do corpo.

Substância cortical – uma camada externa de substância compacta que é localizada principalmente nas superfícies articulares.
Cavidade medular – é um tubo localizado na parede do tecido ósseo compacto, na diáfise, que ocupa, quase toda a extensão nesta parte do osso. Essa cavidade é preenchida pela medula óssea.
Substancia esponjosa – está localizada nas epífises e nas partes extremas da diáfise, abaixo da camada óssea compacta. Essa estrutura óssea esta organizada sob a forma de numerosas lâminas, que se entrecruzam e contornam lacunas.
Substancia compacta – localizada logo abaixo do periósteo e acima da substancia esponjosa.
Substancia esponjosa reticular – encontrada nas proximidades das superfícies articulares.
Substancia esponjosa tubular – são encontradas no sentido do eixo maior do osso.
Periósteo – revestimento externo, membranoso do osso, onde se dispersam as fibras dos tendões, que ali se fixam, e uma lâmina interna, com função basicamente osteogênica, pela ação dos osteoblastos. O periósteo é responsável pelo crescimento do osso, na sua espessura, ou seja, largura.
Endósteo – reveste a cavidade medular. Está envolvido também no mecanismo de crescimento ósseo, desempenhando, o papel de remodelador do osso, pela ação dos osteoclastos.
Sistemas Circunferenciais – é uma disposição, em lâminas, na substância compacta dos ossos longos onde, profundamente ao periósteo e ao endósteo, as lamelas percorrem toda a circunferência do osso. Se localizam externamente e internamente no osso.
Canais longitudinais (de Havers) – dispostos longitudinalmente ao longo do osso, são ocupados pelos vasos e nervos destinados ao tecido ósseo. Estes canais contém tecido conjuntivo frouxo e são interligados, por outro sistema de canais, dispostos transversalmente no osso, que são os canais perpendiculares.
Canais perpendiculares (de Volkmann) – também são portadors de vasos e nervos, ligados tanto daqueles contidos nos canais longitudinais quanto os da rede periostal, na superfície óssea. Estes canais atingem a cavidade medular, permitindo que os seus vasos e nervos cheguem a medula óssea e não são circunscritos por lamelas ósseas (osteônicas).
Osteonas – são unidades anatômicas, que estão situadas entre os dois sistemas circunferenciais (externo e interno) e que estão organizadas ao redor de canais longitudinais (de Havers).
Osteócitos – são localizados tanto nos sistemas circunferenciais quanto nas osteonas, em numerosas lacunas, entre as lamelas ósseas, que são interligados por canalículos, que é onde passa as informações celulares.
Cartilagem Epifiseal – responsável pelo crescimento longitudinal do osso, ou seja, em comprimento.

PROPRIEDADES MECÂNICAS DO OSSO LONGO

A seção triangular da diáfise, com que se apresenta a maioria dos ossos longos, confere ao osso maior resistência do que se fora perfeitamente cilíndrica, pois ao nível das três arestas, onde ocorre maior concentração de tecido ósseo, formam-se três colunas de resistência. A partir desta disposição, ficam favorecidas tanto a resistência do osso como a sua capacidade elástica – neste aspecto, o da elasticidade, as faces resultantes constituem pontos de flexão óssea – sem descuidar da máxima economia de tecido ósseo. Por outro lado, o eixo longitudinal dos ossos longos não se apresentam perfeitamente retilíneo, mas em curva ora mais ora menos acentuada, o que lhes confere a condição de verdadeiros arcos, ou segmento de mola.

VASCULARIZAÇÃO DOS OSSOS

A vascularição de um osso é feita por duas redes efifisárias, uma rede diafisária e uma rede periostal.

O PROCESSO DE OSSIFICAÇÃO PODE SER:

Ossificação intramembranosa – originando os ossos chatos durante o período embrionário, crescimento dos ossos curtos e gradativo espessamento dos ossos longos.

Ossificação endocondral – mecanismo de ossificação que ocorre durante a formação do embrião, a partir da formação primária de um molde cartilaginoso, posteriormente mineralizado com a deposição de fosfato de cálcio. Os ossos longos são ossificados primeiramente na diáfise, depois nas epífises, através de molde cartilaginoso.

TIPOS DE CÉLULAS ÓSSEAS

Podem ser de três tipos:
osteoblastos, osteócitos e osteoclastos.

Osteoblastos – são células jovens com intensa atividade metabólica e responsáveis pela produção da parte orgânica da matriz, São cúbicas ou cilíndricas e são encontradas na superfície do osso, no periósteo. Fazem a regeneração óssea após fraturas. Os osteoblastos existem também no endósteo (membrana de tecido conjuntivo que reveste o canal medular).

Osteócitos – durante a formação óssea, à medida que se dá a calcificação da matriz óssea, os osteoblastos acabam ficando em lacunas chamadas osteplastos, diminuem sua atividade metabólica e passam a ser osteócitos, células adultas que atuam na manutenção dos componentes químicos da matriz. Nas regiões ocupadas pelas ramificações dos osteoblastos formam-se os canais e canalículos, que permitem uma comunicação entre os osteócitos e os vasos sanguíneos que os alimentam. Os osteócitos possuem
um papel fundamental na manutenção da integridade da matriz óssea e são protegidos pelas osteonas que os revestem.

Osteoclastos – células grandes com diversos núcleos (multinucleadas ou polinucleadas), originadas da fusão de células ósseas. Fazem a reabsorção da matriz. Os osteoclastos são células gigantes que também são responsáveis pela degradação do tecido ósseo em condições fisiológicas e patológicas. Originam pela fusão de células mononucleadas da medula óssea, sendo porém observadas somente nas superfícies ósseas. Os osteoclastos secretam ácidos, colagenase e outras enzimas que atacam e liberam Ca2+.

Postado por: Deyvid Lopes

9 comentários:

  1. As matérias são demais!! triste são os maltratos aos animais!! to aguardando uma matéria sobre o lobo-guará!! abraços!

    ResponderExcluir
  2. olá boa tarde,

    adorei o blog de vocês e gostaria muito de uma ajuda.
    Estou cursando radiologia e tenho a matéria de radiologia veterinária e preciso fazer um trabalho falando sobre as principais diferenças anatômicas dos ossos dos animais domésticos e infelizmente não estou conseguindo achar nada a respeito, se vocês puderem me ajudar postando alguma coisa a respeito ou me mandando por email ficaria muito agradecida.

    Desde já agradeço,
    Érika
    erika.b.gomes@hotmail.com

    ResponderExcluir
  3. Adorei,me ajudou muito!

    ResponderExcluir
  4. Muito bom, me esclarecei uma serie de coisas.Sucesso!

    ResponderExcluir
  5. Comecei medicina veterinária agora, e o blog ajudou muito! ^_^

    ResponderExcluir
  6. nossa muito bom,me ajudou bastante,comecei a pouco a facul

    ResponderExcluir
  7. Olá Deyvid, parabéns..
    Conteúdo muito bom me ajudou muito!!!

    Valeu..

    ResponderExcluir
  8. mtoo bom, ta me ajudando a entender os conteudos do curo q eu to fazendo :D

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário aqui!!! Favor não esquecer de deixar o email tb, para melhor atendê-los.